Neste dia 19 de outubro de 2017, Dia Nacional em Defesa da Educação Pública, as Entidades da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) – Adunifesp-SSind, APG-Unifesp, Comitê de Mobilização Estudantil e Sintunifesp – realizaram ato no campus São Paulo manifestando a sua união contra os ataques à universidade pública, ao hospital São Paulo, aos servidores, estudantes e população em geral, reafirmando o diagnóstico: sem mais verbas a universidade vai parar e a população perder!

Cada representante das entidades destacaram um ponto e dimensão do ataque à educação e saúde públicas. “Com o projeto que ataca o fim da estabilidade do servidor público e outro que estabelece programa de demissão voluntária busca-se o objetivo de enxugar o serviço público, nosso papel é defendê-lo!” comentou Prof. Daniel Feldmann presidente da Associação dos Docentes da Unifesp (Adunifesp-SSind).

“Somos contra a reforma trabalhista, a reforma previdenciária e o pacote de reestruturação da carreira do servidor público, essas são nossas frentes de mobilização e luta!” afirmou Maria do Socorro, servidora técnica administrativa em educação parte da coordenação do Sindicato dos Trabalhadores da Unifesp (Sintunifesp).

E em nome do Comitê de Mobilização Estudantil da Unifesp, a frente do processo de reestruturação do Diretório Central dos Estudantes da Unifesp comentou Thiago Gomes membro do Centro Acadêmico do curso de Ciências Sociais: “Com o corte das verbas do PNAES, das assistências estudantis, não será possível atender às necessidades dos estudantes para permanência da universidade”.

O quadro é de amplo ataque aos serviços públicos, é preciso multiplicar ações como a do Conselho de Entidades da Unifesp criando espaço de diálogo e movimento para mobilização e resistência.

Conselho de Entidades da Unifesp